Notícias

26/02/2015 - Volvo prevê ano fraco, mas sem cortes
Venda de caminhões da montadora sueca caiu 4,8% em 2014. Queda, porém, foi bem menor que a média do mercado

Médio e longo prazo. Esses são os termos da vez no planejamento estratégico da Volvo no Brasil, que prevê uma retomada do setor automotivo somente a partir de 2016. Em entrevista coletiva a jornalistas ontem, em São Paulo, executivos da montadora no país e na América Latina afirmaram que o número de vendas neste ano no segmento de caminhões deve ser menor do que em 2014, ano em que já houve retração de 5% na comercialização de veículos da companhia.

Ano passado, a Volvo registrou 19,7 mil caminhões emplacados, enquanto em 2013 foram 20,7 mil. A queda nas vendas, porém, foi menos acentuada do que na média do mercado. No segmento de caminhões pesados, o setor caiu 15,1%, enquanto a montadora teve queda de 6,3%; em semipesados, a retração nas vendas do mercado foi de 5,6%, com a Volvo registrando decréscimo de 1%.

Somando-se os resultados dos dois segmentos, a companhia viu crescer a participação no mercado brasileiro, de 20% em 2013 para 21,3% ano passado. Os números relativamente positivos, ainda mais em um cenário em que a economia continua andando de lado, fazem a montadora cravar que não haverá novas demissões a curto prazo. Ano passado, as fabricantes de veículos e máquinas agrícolas demitiram 12,3 mil pessoas em todo o país, incluindo a própria Volvo, que anunciou em dezembro o desligamento de 206 funcionários na fábrica de Curitiba - na ocasião, a montadora disse que se tratava de uma medida de ajuste da produção à demanda, que atingiria principalmente os metalúrgicos da linha de caminhões.
"Estamos adaptados para essa situação de mercado de curto prazo. Fizemos um ajuste no final do ano passado na fábrica de Curitiba, mas no momento não há nenhum plano ou decisão para fazer novas demissões. Claro, temos que acompanhar o cenário mês a mês, semana a semana", ponderou o novo presidente do Grupo Volvo para a América Latina, Claes Nilsson, que assumiu o cargo mês passado.

Financiamento

Um dos principais pontos de atenção para a montadora, que deve impactar as vendas a partir deste ano, é a recente mudança nas condições do Finame, programa de financiamento de máquinas e equipamentos do BNDES, com o aumento dos juros e diminuição da participação do banco nos empréstimos. A Volvo tem um banco próprio para financiar os produtos da marca, mas hoje, no mercado brasileiro, apenas quatro em cada dez veículos são financiados pela empresa. Ano passado, o braço financeiro da Volvo financiou R$ 2,9 bilhões para a aquisição de caminhões, ônibus e equipamentos de construção, valor 34% maior do que no ano anterior.

"O PSI [Programa de Sustentação do Investimento, do BNDES] ajudou muito nos últimos anos. Agora, o mercado vai sofrer um ajuste em relação ao novo Finame, mas ainda serão taxas competitivas. O mercado dará uma diminuída, mas ele vai se recuperar e continuar o crescimento", afirmou o diretor comercial de caminhões Volvo no Brasil, Bernardo Fedalto.

Elétricos

A Volvo está desenvolvendo na planta de Curitiba uma nova linha de ônibus articulados e biarticulados elétricos, que também funcionarão no modo híbrido. Os veículos devem passar a rodar em caráter de testes no ano que vem, na Linha Verde, e a previsão é de que, até 2018, 170 unidades sejam fabricadas. Os ônibus terão capacidade de rodar até 10 km no modo elétrico.

Na contramão do setor, empresa vende mais ônibus

Ao contrário do segmento de caminhões, o volume de vendas de ônibus da Volvo cresceu 2,7% em 2014 em relação ao ano anterior - o mercado total de ônibus registrou queda de 16,3%, segundo dados da Anfavea (associação nacional das montadoras). Foram comercializados 3,1 mil chassis, sendo 1,7 mil emplacados no país e 1,4 mil no mercado externo.

A maior parte das exportações foi para a Colômbia (60,6% do total), seguida pelo Chile (19%) e Peru (10,6%). A expectativa do presidente da Volvo Bus para a América Latina, Luis Carlos Pimenta, é que o número de vendas neste ano seja "um pouco melhor" do que no ano passado. Para o executivo, o reajuste de tarifas nas grandes cidades de acordo com custos mais próximos do real - o que deve aliviar o caixa dos operadores de transporte; a proximidade das eleições municipais; e a publicação de uma resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que deve ocasionar a renovação de 2,5 mil ônibus das frotas nos municípios de todo o país, vão estimular o crescimento do mercado como um todo.
Moreflex Borrachas
Rod. RS 240, Km 06 - Cx. Postal 30 - Portão/RS - Brasil
Tel. (51) 3562-9500
     
Desenvolvimento INET Solutions - © Todos os direitos reservados - Moreflex Ltda - 2010