Notícias

09/12/2016 - Eficiência Energética no Brasil Rodoviário

 

Devido à concorrência e a defasagem nos valores praticados pelo setor de transporte, a eficiência energética vem sendo utilizada para diminuição de despesas. No Brasil temos uma malha aproximada de 1.751.868 quilômetros de estradas e rodovias, no ano de 2015, foi consumido aproximadamente 57,211 bilhões de litros de diesel. Em um país com este tamanho e consumo é preciso melhorar consecutivamente a eficiência energética que é vital para desenvolvimento econômico. 

Algumas das maneiras do setor de transporte é o treinamento com fins de redução no consumo de combustível e para isso algumas medida são passadas como: melhorar as trocas de marchas, sistema de direção eficiente evitando colocar veículo em ponto morto em decidas, frear apenas reduzindo a velocidade e outras situações do dia a dia. Muitos colaboradores têm dificuldades em se manter em baixas velocidades e assumir técnicas de condução econômicas de direção e se adaptarem a esta nova realidade no setor.

Com a colaboração de entidades do setor de transportes rodoviário, juntamente com a CNT tem dado sequência ao programa "Despoluir" e aprimorando a gestão de combustível no setor de transporte e promovendo juntamente eventos como "Seminário Internacional sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados", tendo como objetivo melhorar a eficiência energética e reduzir a emissão de poluentes dos 1,4 milhão de caminhões e ônibus do Brasil isso significa aumentar a competitividade e redução de custos no transporte. 

Na mira de aumentar a eficiência e diminuir consumo está o uso de refletores de ar, este equipamento na frota de caminhões vai além de uma solução estética para o veículo, sem o defletor de ar o mesmo se choca frontalmente. Não se tem dados precisos da economia de combustível originada a partir do uso de defletores. Pois se trada de uma variável por exemplo, é o peso da carga transportada pelo veículo, tamanho e altura. Estima-se que a utilização do equipamento possa reduzir o consumo de combustível em até 9%, devido ao equipamento que ajuda o veículo a vencer a força do arrasto "termo técnico para resistência aerodinâmica" eliminando as áreas de refluxo de ar na parte inferior ou superior da cabine. 

Em uma frota de 100 caminhões truck com o consumo médio de 4,1 por km e rodando 16 mil km por mês com o valor do diesel para cálculo de R$2,60 Lt em um ano poderíamos chegar a uma economia de R$4.492.000,00 reais. Este número pode aumentar se obtivermos também a diminuição deste atraído nas laterais do veículo de maneira mais aerodinâmica. 

Outra forma utilizada na busca de melhor eficiência são os veículos híbrido vem do Latin e significa: "mistura de duas ou mais origens" que procura recuperar, armazenar e reutilizar a energia cinética da frenagem das seguintes formas mecânica, elétrica e hidráulica. Permitindo o motor operar de forma mais eficiente, alguns resultados em teste realizados em 2.013 demonstram um potencial de 25% de redução do consumo de combustível baseados na reprodução de um ciclo de operação típico de um caminhão de lixo e conseguintemente a redução de CO2, porem a frota de caminhões de lixo é relativamente baixo comparado a outras funções.

Em outras partes do mundo como na Europa já se tem algumas determinantes neste sentido como pneus Supersingles / LRR já são predominantes, marcha lenta em caminhões raramente são utilizados em paradas e os preços de combustível mais alto incentivam investimentos em tecnologia e operação mais eficiente. Na China os primeiros padrões nacionais vêm sendo adotado deste 2014, lançamento nas mídias com publicidades e os caminhões operam em velocidades media menores 70 km/h.

Por parte dos governos federal e estadual, precisamos de agências reguladoras que necessitam de articular e monitorar eficiência de forma contínua e estabelecer novos alvos, padrões para testes de qualidade e eficiência, encontramos em outra parte incentivos com redução de Impostos sobre veículos e combustível para incentivar renovação de frota com veículos eficientes, apoio para melhoria na infraestrutura para estes veículos. Assim como mais estudos, pois as fontes de energia como o diesel podem se esgotar gerando custos inestimáveis para o setor de transporte e afetando em cadeia toda a população. 

Portanto existe incerteza sobre o assunto que são relevantes devido a várias crises econômicas e políticas na última década, juntamente com a falta de incentivos fiscais e financeiros na aquisição de produtos e equipamentos.

 

Data: 09 de December de 2016

Fonte: COMJOVEM São José do Rio Preto - NTC

Moreflex Borrachas
Rod. RS 240, Km 06 - Cx. Postal 30 - Portão/RS - Brasil
Tel. (51) 3562-9500
     
Desenvolvimento INET Solutions - © Todos os direitos reservados - Moreflex Ltda - 2010